I FluHidros - Simpósio Nacional de Mecânica dos Fluidos e Hidráulica

Data: 22/08/2022 à 24/08/2022
Local: Ouro Preto - MG
Mais informações: https://www.abrhidro.org.br/fluhidros

DETECÇÃO DE INFESTAÇÃO DO MEXILHÃO DOURADO Limnoperna fortunei (Dunker, 1857) POR AUMENTO DE PERDA DE CARGA SISTEMAS DE RESFRIAMENTO DE USINAS HIDRELÉTRICAS

Código

I-FLUHIDROS0080

Autores

STÊNIO AUGUSTO COELHO

Tema

Sistemas fluido-mecânicos (Máquinas, instalações e saneamento)

Resumo

As perdas de carga em sistemas de geração de energia podem ter diversas causas, como exemplos: aumento da rugosidade, deposição de material e a incrustação de sujidades presentes na água. O período de manifestação dessas causas pode ser longo e provocar uma redução da área útil das tubulações. De acordo com Lima e Martinez (2014), em sistemas com grandes diâmetros isso tem um pequeno impacto, entretanto, quando se trata de circuitos hidráulicos de diâmetros menores (< 400mm), essas incrustações tendem a ser muito impactantes. Atualmente, grande parte das UHE?s apresentam incrustação de um molusco, conhecido como mexilhão dourado, causando um aumento da perda de carga nos circuitos de resfriamento dessas instalações gerando prejuízos de geração e de disponibilidade de energia. Este trabalho apresenta um mapeamento das perdas de carga unitárias em circuitos hidráulicos de 1 a 20 polegadas de diâmetro. Sugere-se que o monitoramento da infestação baseado na medição da perda de carga deve ser feito a partir de ramais de diâmetro entre 2 e 4 polegadas de forma a ser possível, a partir da medição da perda de carga, inferir as taxas de infestação do MD fornecendo parâmetros para orientar o momento da intervenção no sistema.

© 2022 - Todos os direitos reservados - Sistema de publicação de trabalhos técnico ABRHidro - Associação Brasileira de Recursos Hídricos
Desenvolvido por Pierin.com