III SRHPS - Simpósio de Recursos Hídricos do Rio Paraíba do Sul

Data: 27/08/2018 à 29/08/2018
Local: Juiz de Fora - MG
Mais informações: http://www.ufjf.br/srhps/

ANÁLISE DE SISTEMA DE LODOS ATIVADOS NO TRATAMENTO DE EFLUENTE DE INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA: TRATABILIDADE E MICROFAUNA

Autores

Ana Carolina Vecchio Reis, Yasmine Costa Moreira, Paula de Oliveira Lima, Sue Ellen Costa Bottrel, Edgard Henrique de Oliveira Dias

Tema

Meio Ambiente e Recursos Hídricos

Resumo

A necessidade de se adequar às regulamentações ambientais tem levado muitas empresas a buscarem sistemas de tratamento para seus efluentes. Por apresentarem boa eficiência, os sistemas biológicos têm sido bastante empregados no tratamento de águas residuárias. O sistema por lodos ativados é o sistema biológico mais empregado, a nível mundial, no tratamento de efluentes. Apesar de ter capacidade para alcançar quase 100% de eficiência em termos de matéria orgânica biodegradável, este sistema requer controle de operação rigoroso, pois os micro-organismos, responsáveis pela depuração do efluente bruto, são sensíveis a variações de parâmetros operacionais e características do efluente. Nesse sentido, este estudo teve por objetivo analisar a estação de tratamento de efluentes industriais (ETEI), em início de operação, da indústria alimentícia Perfeita Alimentos Ltda, localizada na Bacia Hidrográfica do Rio Paraibuna, em Juiz de Fora ? MG. Foram feitas análises de parâmetros físico-químicos e também da microfauna dos efluentes bruto e tratado e do lodo biológico. Os valores médios encontrados para as eficiências de remoção de DQO e DBO foram 42% e 32%, respectivamente, e a concentração média de SST encontrada no efluente tratado foi de 456 mg/L. Esses resultados não atenderam às condições de lançamentos de efluentes exigidas na regulamentação ambiental cabível e mostraram que o sistema em estudo não está correspondendo ao esperado. Os resultados encontrados para a microfauna revelaram que houve dominância de protozoários ciliados livre natantes. Além disso, calculou-se do Índice Biótico do Lodo (IBL), encontrando IBL igual a 3, que classifica o lodo como instável e o tratamento com depuração biológica e eficiência muito baixas. Os resultados da análise da microfauna corroboraram os resultados encontrados para os parâmetros físico-químicos. Por fim, o trabalho confirmou que a ETEI exige um controle operacional complexo, sendo necessário a continuação de outros estudos para identificar variáveis de controle, como idade do lodo, vazões afluente e efluente, dentre outras.

Sistema de publicação de trabalhos técnico ABRhidro - Associação Brasileira de Recursos Hídricos
Desenvolvido por Pierin.com